Recursos didáticos auxiliares (Casos para aulas)

 

 

Buscando remédio para lucro baixo

Uma análise do Hospital Nossa Senhora de Lourdes
 

 

Tópicos explorados: Gestão de Preços, Análise Custo, Volume e Lucro.

Adriano Leal Bruni
albruni@minhasaulas.com.br

 

A importância dos mercados financeiros pode ser vista em diferentes contextos e atividades. A mais importante, talvez, esteja associada ao financiamento das necessidades de investimentos das mais diversas entidades.

Um bom e didático exemplo pode ser visto no Hospital Nossa Senhora de Lourdes que empregou os mercados financeiros para reduzir seu custo de captação de recursos.

Leia as informações apresentadas, estude o conteúdo dos livros e e responda às perguntas formuladas.

Grupo Nossa Senhora de Lourdes investe R$ 30 milhões na ampliação de complexo.

16.01.07

O Grupo Nossa Senhora de Lourdes investe na ampliação de seu complexo de saúde e dá a partida nas obras de construção do novo prédio. A expansão - que receberá um investimento de R$ 30 milhões - será feita em etapas. A previsão é de que a primeira torre esteja pronta até outubro de 2007. A segunda fase, conclusão da segunda torre, deve estar finalizada no final de 2008.
Localizado há 48 anos no Jabaquara, zona Sul de São Paulo, reunindo 10 empresas coligadas na área da saúde, entre elas o Hospital Nossa Senhora de Lourdes e a Maternidade e Hospital da Criança, o grupo Nossa Senhora de Lourdes fechará o ano com R$ 185 milhões de receita.
Para 2007, a meta é ultrapassar a barreira de R$ 200 milhões de faturamento. Entre os principais fatos de 2006 que colaboram para essa expectativa positiva para o ano que vem está o bem-sucedido lançamento do fundo imobiliário do Hospital Nossa Senhora de Lourdes na Bolsa de Valores – feito para R$ 88 milhões, dividido em três partes. “Cerca de R$ 30 milhões em quotas foram vendidas em apenas dois dias, o que demonstra a excelente percepção de investidores externos em relação à gestão do hospital”, diz o Dr. Cícero Aurélio Sinisgalli, fundador e presidente do Grupo Nossa Senhora de Lourdes.
O EBITDA (capacidade de geração de caixa, resultado operacional) do Hospital Nossa Senhora de Lourdes em 2006 foi 16.6% sobre as receitas brutas, índice bastante alto em relação ao mercado. A projeção para 2007 é 17.82%. De acordo com Fábio Sinisgalli, diretor geral do Grupo NSL, “o ebitda é que está alavancando o crescimento do hospital. Esse panorama mostra a excelente gestão do grupo, que tem perspectivas cada vez melhores para os próximos anos”.
Para 2007, a previsão de investimentos (em tecnologias para modernizar o parque de equipamentos) está na ordem de R$ 10 milhões, sendo R$ 4 milhões no Hospital NSL, R$ 1,7 milhão no Centro de Diagnóstico, R$ 1,8 milhão na Angiodinâmica, R$ 700 mil no Lithocenter e R$ 1,7 milhão no Hospital da Criança.
Os investimentos na modernização do Centro de Diagnóstico – que agora conta com uma nova tecnologia de digitalização de imagens de exames radiológicos – PACS e o fortalecimento de outras duas empresas do grupo com aquisição de mais duas máquinas novas (Angiodinâmica e Lithocenter), como importantes referências de serviços no mercado de saúde, também ajudam a criar o clima de otimismo para o ano que vem.


Ampliação
 

Para crescer e dobrar a capacidade de atendimento, o Hospital Nossa Senhora de Lourdes vai expandir sua área, totalizando 23 mil m², sendo 12 mil m² do novo prédio, além dos 11 mil m² do edifício que será reformado. As obras de ampliação, que já começaram, serão desenvolvidas durante dois anos, e o novo prédio contará com moderna infra-estrutura, além de tecnologia e qualidade da assistência médica. Com isso, o Grupo Nossa Senhora de Lourdes ficará com uma capacidade operacional de cerca de 400 leitos. Serão feitos incrementos na área de hotelaria, para obter uma diferenciação nos padrões dos apartamentos, já que os hospitais atendem a diversos públicos. O hospital contará com 150 apartamentos de alto padrão e acabamento
requintado. “Será uma construção moderna que prevê a expansão do centro cirúrgico de 7 para 17 salas e também com mais leitos em UTI”, adianta o presidente.


Antes de planejar a ampliação, como sempre faz, a diretoria do Hospital Nossa Senhora de Lourdes viajou para os Estados Unidos com o objetivo de visitar o que há de mais moderno em centros hospitalares americanos, trazendo toda essa bagagem para o Brasil. “Isso é uma constante na rotina de nossa equipe médica, que, de tempos em tempos, realiza diversas visitas aos hospitais americanos, com a proposta de investir no desenvolvimento da infra-estrutura,
tecnologia e qualidade da assistência médica”, enfatiza Dr. Cícero.


Grupo Nossa Senhora de Lourdes
Complexo médico-hospitalar, localizado no bairro do Jabaquara, zona centro-sul de São Paulo, formado por 10 empresas coligadas: Hospital Nossa Senhora de Lourdes (fundado em 1958), Maternidade e Hospital da Criança, o plano Saúde Medicol (45 mil associados), o CMI - Centro de Medicina Integrada – 42 consultórios (150 mil consultas por ano), Hospclean - Lavanderia Hospitalar (2.500 toneladas de roupa lavada por ano), Interlar Home Care (2.400 internações e monitoramentos por ano), NSL Núcleo de Desenvolvimento Profissional (450 alunos formados e em formação), Lithocenter - Procedimentos Urológicos (5.400 procedimentos por ano), Angiodinâmica - Cineangiocoronariografia (3 mil exames e procedimentos por ano) e Centro de
Diagnóstico (resultado da fusão entre Tomosp-Tomografia Computadorizada com 7.200 exames por ano, Ecoson Ultra-Sonografia com 31.800 exames por ano, Ressonância Magnética com 6.120 exames por ano e NSL Medicina Nuclear com 6.200 exames por ano ).

 

A opção pelo Fundo Imobiliário


Cícero Sinisgalli, Presidente do Hospital Nossa Senhora de Lourdes

Disponível em: <http://www.gvsaude.org/artigos/41.pdf>. Acesso em: 30 jun. 2008.

O Hospital Nossa Senhora de Lourdes foi fundado em 1958– comemora o cinqüentenário no ano que vem – por mim e por um colega, Dr. Octávio D’Andrea. É uma S/A– desde o início –, um hospital privado com fins lucrativos. Isto entre aspas pois, como se sabe, em Saúde a finalidade lucrativa é um conceito muito relativo.Importante ressaltar que o Hospital é uma obra inacabada. Desse modo, está sempre precisando de investimentos, com necessidade de crescer. Conheceremos aqui um pouco da evolução do Hospital para, na seqüência, enfocarmos as razões da decisão de caminhar para o Fundo Imobiliário.O Hospital vem criando, a partir de 1980, uma série de sociedades coligadas: Saúde Medicol; Lithocenter; Angiodinâmica; Hospclean; Centro de Medicina Integrada; Centro de Diagnóstico; Maternidade e Hospital da Criança; Interlar – Home Care; e Núcleo de Desenvolvimento Profissional, organizados como Sociedades Anônimas independentes.

Por quais razões optou-se pela criação de Sociedades Anônimas Independentes e todas tipo Sociedade Anônima? A primeira resposta é que, há muitos anos, ao assistir a uma palestra de Peter Drucker, ouvi o seguinte: Em vez de você ter uma grande empresa, procure ter muitas pequenas, porque se uma pequena não funcionar direito, você fecha; com uma grande, ao contrário, você vai para a falência com tudo.E, desde então, a opção preferencial recaiu sobre o modelo de empresas independentes. A escolha por Sociedades Anônimas apóia-se no fato de que estas proporcionam uma decisão mais fácil pelo controle acionário. As datas das fundações de cada uma, são:Saúde Medicol - Planos de Saúde, 1980; Lithocenter -Lithotripisia Extracorpórea, 1991; Angiodinâmica Cineangiocoronariografia, 1992; Hospclean - Lavanderia Hospitalar, 1993;Centro de Medicina Integrada - Ambulatório Médico, 1994; Centro Diagnóstico NSL, 1997. Maternidade e Hospital da Criança, 1998; Interlar –Home Care, 1999; e NSL - Núcleo de Desenvolvimento Profissional, 2000.

Por que criamos as Sociedades Independentes? Primeiro, por necessidade de capital e, em segundo, de trabalho. Como não dispúnhamos de capital próprio para crescer, procuramos integrar o Corpo Médico e o pessoal ligado ao hospital para chamar o capital. Assim, se fossemos fundar uma sociedade de Tomografia, por exemplo, chamaríamos os radiologistas,cirurgiões, anestesistas e outros para tornarem-se sócios, trazendo capital.O Hospital é um completo centro de referência hospitalar, com atendimento regional e referenciado, corpo clínico aberto e de excelente qualificação. Procura sempre a tecnologia de ponta, tem essa experiência e tradição nos serviços há quase cinqüenta anos. É um hospital geral privado e com fins lucrativos, que atende a particulares e convênios, em todas as especialidades médicas. Possui certificação plena da ONA, é associado à ANAHP – Associação Nacional de Hospitais Privados. Recebeu o prêmio Top Social da ADVB, em 2000, o prêmio Top RH ADBV, de 2001, foi um dos grandes hospitais do ano pelo Top Hospitalar, em 2006 e um dos três projetos de responsabilidade social no Top Hospitalar, de 2006.Como unidade de atendimento, o hospital tem tudo, mas, basicamente,apresenta Pronto-socorro e Pronto-atendimento, faz internações clínicas,internações cirúrgicas, tem Unidades de Terapias Intensivas de adulto e infantil, Centros Cirúrgicos para pacientes ambulatoriais, internados,serviços auxiliares diagnósticos e tratamento da melhor qualidade e o mais completo possível. Possui como serviços de destaque: clínicas e especialidades, mais cirurgia geral, bariátrica, neurológica,vídeo laparoscópica, Centro de Urologia, Centro de Cardiologia, Clínica Geral, Clínica Ortopédica, Clínica Oncológica, transplantes, cirurgia de córnea e várias especialidades em angiologia, litotripsia etc.

O Hospital já fez uma porção de coisas e ainda planeja uma grande expansão. Objetivamos uma ampliação, que está sendo realizada agora, no prédio central do hospital, que tem 11 mil metros quadrados e queremos passar para 23 mil. O Hospital da Criança, que é uma unidade nossa,independente – é um Hospital de excelente qualidade –, passará de seis mil metros atuais, para nove mil. O Centro Diagnóstico, que apresenta três mil metros, receberá ampliação de mais quatro mil metros. Pretendemos expandir o CMI, um prédio de ambulatórios, em três mil metros. O total do grupo, que hoje tem 23 mil e 800 metros quadrados de construção, deverá atingir 45 mil e 800.

Há algum tempo, em viagem para Cleveland, fui recepcionado pelo chairman, Dr. Estefânio e perguntei a ele: se morasse em um país pobre como o Brasil e representasse um hospital privado, com recursos limitados, o que faria com o pouco dinheiro de que dispusesse. A resposta foi que a primeira coisa a fazer é comprar terrenos, pois estes acabam; já a construção pode ser feita aos poucos. Ao retornar, comprei o máximo de terrenos possível à época, principalmente nas vizinhanças. Hoje temos mais ou menos 26 mil metros quadrados de terreno nas redondezas,que permitem expansões futuras.Daí, a evolução do nosso faturamento em dólares. Assim, começamos em 1990 com US$ 10 milhões e, em 2006, o grupo conseguiu faturar quase US$ 90 milhões.

Na composição de nossa receita, 42% são do hospital, 24%da Saúde Medicol, 16% do Hospital da Criança e assim sucessivamente. Pretendemos chegar ao ano de 2010 com o faturamento de US$ 369 milhões e a nossa EBITDA tem melhorado ano a ano: pretendemos chegar nessa época com 19,7 por cento.

Os Fundos Imobiliários são formados por grupos de investidores, com o objetivo de aplicar recursos, solidariamente, no desenvolvimento de empreendimentos imobiliários ou em imóveis prontos. Do patrimônio de um fundo podem participar um ou mais imóveis, parte de imóveis, direitos a eles relativos etc. Uma das várias formas de remuneração é por meio de taxa de locação mensal.O fundo é composto da seguinte forma: o hospital transfere seu imóvel a um Fundo de Investimento, constituído com a finalidade de aplicar recursos de empreendimentos imobiliários. Denomina-se Fundo de Investimento Imobiliário Nossa Senhora de Lourdes.

O fundo coloca as cotas à venda no mercado e, pela primeira vez, foi colocado pela Bolsa de Valores,após aprovação da CVM e com esse recurso que ele capta, paga o Hospital.Uma vez transferido o imóvel, elabora-se um contrato de locação entre a empresa Hospital e o Fundo, por um tempo determinado. Em nosso caso,vinte anos, renovável por mais vinte. O valor da locação é estabelecido no ato da constituição do Fundo; no caso do Hospital, foi estabelecido 1,3 por cento ao mês sobre o valor que recebemos.

O valor original do Fundo, no nosso caso, foi 88 milhões, dividido em três tranches, sendo duas de 30 milhões e a última de 28 milhões. A terceira tranches de 28 milhões será comercializada após a conclusão das obras de ampliação, que eu contei que estão em andamento.A grande preocupação do Banco é saber se conseguiremos pagar o aluguel que está sendo estabelecido, porque a grande preocupação é saber se nós vamos conseguir remunerar o investidor. Uma vez feita a avaliação –baseada em dados de Evolução de Faturamento, Evolução do grupo etc. – o Imóvel é transferido para o Fundo.

Este vende essas cotas por intermédio,agora, da Bolsa de Valores e essa foi a primeira vez que foi vendido pela Bolsa de Valores, até então era particular. As pessoas compram as cotas, esse dinheiro entra para o Fundo, o fundo nos paga e, a partir desse momento, o imóvel não é mais nosso. Agora, passo a locar esse imóvel e é feito um contrato, normalmente, por vinte anos e renovável por mais vinte.

Por que resolvemos fazer o Fundo, nessa ocasião? Primeiro, porque os juros são muito altos. Por mais que esperemos uma queda dos juros, fizemos muitos cálculos e achamos que dificilmente será possível captar recursos a esse valor de 1,3% ao mês. Sendo que, como ainda tivemos a vantagem de na segunda cota de 30 milhões, conseguirmos um ágio de 18% sobre o valor original. Assim, nosso custo médio vai ser de 1,2%, em vez de 1,3. Segundo,porque a taxa Selic estava em queda. Desse modo, era mais fácil aos investidores se interessarem pelo Fundo, porque receber 1,2 ou 1,3 de aluguel é muito melhor do que aplicar. Todas as aplicações existentes na praça dão, no máximo, 0,9 %. A escolha pelos fundos repousa no fato de que as taxas são menores do que o mercado, o nível de exigência é menor. Para vender ações na Bolsa é muito mais complicado.

A captação de recursos foi extremamente rápida, foi muito bom e captação de recursos sem perda de controle acionário – isso também foi muito preocupante, porque se eu tivesse colocado as ações na Bolsa, como é uma Sociedade Anônima privada e que nós temos o controle acionário, provavelmente perderíamos o controle acionário. Não pretendemos perder o controle acionário, porque é uma empresa familiar e queremos que o controle continue conosco.

O Fundo Imobiliário também é uma vantagem muito grande para o investidor. Primeiro, porque tem uma rentabilidade atrativa, saiu na MP do bem que investidor de T.I pessoa física não paga imposto de renda. O aluguel é líquido, a pessoa não paga Imposto de Renda quando for pessoa física; a pessoa jurídica paga imposto de renda. O investimento e manutenção do prédio não existem. Essa é a grande diferença entre alugar uma casa: no momento em que se aluga a casa, primeiro o valor do aluguel é muito menor do que um investimento do Fundo; segundo, que o inquilino pode sair e surge a preocupação de locar novamente; terceiro, o problema da manutenção do imóvel. Aqui, tudo isso é problema do locatário e não do locador. Desse modo,
não há o problema de preocupar-se com a manutenção do prédio. E a pessoa tem a garantia total porque o imóvel é dele. Investiu no imóvel, o imóvel é dele.

A única coisa que não posso fazer é deixar de pagar o aluguel, porque se um dia isso acontecer, o contrato se rompe e sou despejado. Posso perder a chance de continuar o negócio do Hospital. Para o investidor, a garantia da locação é total, porque ele está garantido pelo imóvel. E, por último, ele tem uma locação garantida por quarenta anos. Ou seja, ele tem realmente um investimento garantido, de longo prazo.

No ambiente interno do Hospital, qual foi a vantagem do Fundo? As despesas financeiras estavam muito altas, em função de todo esse investimento e tínhamos uma dívida bancária alta e, com isso, eliminamos totalmente o endividamento do Hospital. Como o resultado operacional do Hospital é de 15% e o resultado líquido, antes do Fundo, era de apenas 2%. Gastava uma quantia enorme de recursos financeiros que, agora, terminou. Havia o problema de demanda reprimida: o Hospital está lotado, tirando os meses em que há a queda: no fim de ano o Hospital anda superlotado,freqüentemente negando vagas, porque não tem onde internar e era necessária uma nova expansão. E, para fazer expansão, eu precisaria buscar mais dinheiro – buscar dinheiro em banco pioraria o problema.

Necessidade de crescimento e novas tecnologias: estamos querendo e vamos instalar agora o serviço de Radioterapia, expandir o serviço de Quimioterapia, uma série de coisas, estamos precisando comprar novas máquinas além das que já temos, mas precisamos agora comprar máquinas novas e tudo isso é um investimento muito grande e nos obrigaria a buscar dinheiro em algum lugar.A necessidade de expansão da área física, de melhorar a percepção,colaboradores e médicos. Os médicos, cada dia mais querem uma hotelaria de melhor qualidade, nós estamos em uma cidade ótima que se chama São Paulo, onde os Hospitais estão cada vez melhores e, se não nos atualizarmos,ficaremos fora da rede. Melhoramos muito a parte de fornecedores e agora temos capital para pagá-los, então capital na mão facilita muito os descontos.

Apresentamos melhorias para os acionistas e também para os clientes do Hospital.O Fundo tem duas partes: a estruturação e a venda. Na estruturação,primeiro se faz a avaliação econômica, dos contratos, elaboração do material de computação e aí vem a parte muito complexa que é a parte de aprovação pela CVM. Esta faz um trabalho muito importante para poder aprovar. Levou vários meses com exigências que precisamos cumprir.Estimava-se que o prazo disso levasse 60 dias, realmente, levou 120 dias.Para a segunda fase, de vendas, que seria feita pela Bolsa de Valores,precisamos fazer a primeira fase que foi chamar os corretores que queriam vender. Na primeira fase, inscreveram-se 33 corretores para vender e, na segunda fase, 23 corretores. A expectativa era de que a venda fosse feita em uma média de trinta dias.

A primeira tranche foi vendida em 25 horas. Foi um susto, não imaginava que venderia com tanta rapidez; e a segunda tranche, que também lançamos em janeiro – é um mês péssimo para venda,porque em janeiro o pessoal está viajando – conseguimos vender tudo em 15dias. Foi uma venda absolutamente rápida.Conseqüências: a eliminação da dívida bancária, ocasionando a redução das despesas financeiras. Estamos pagando 1,2%, os Bancos fazem em média 2,5%, vamos ter uma economia direta com o Projeto Fundo de 3,9milhões por ano. É uma economia bastante interessante.

Temos agora uma injeção de 65 milhões em recursos para eliminação de endividamento bancário e construção do imóvel do Hospital com aporte de mais 28 000metros. O Fundo foi feito com total de 78 milhões em três tranches. A primeira, vendemos 30 milhões, em outubro; a segunda tranche, mais 30milhões, em janeiro, sendo que, sobre essa segunda, houve um ágio de 18%.Estamos sabendo que quem comprou, com esse ágio de 18%, já está negociando à base de 25 a 28% também. Está havendo muita procura das cotas. E a terceira fase é o seguinte: nessa ampliação estamos construindo sobre o terreno que é já do Fundo. Então, há um acordo de que essa construção será reembolsada no valor de 28 milhões, que seria a terceira tranche. Pretendemos não só acabar totalmente a construção como também agora ter recursos para a expansão necessária de tecnologia etc.

Para as partes interessadas, ficou claro que os colaboradores e funcionários ficaram com a percepção positiva de que o grupo está entrando em uma nova fase do crescimento, com reais chances de desenvolvimento para todos. Isso traz um ânimo muito grande para os colaboradores. Para os fornecedores, uma melhora na capacidade de negociação do Hospital, em função da duplicação das instalações e conseqüente aumento de volume. Mas, os bancos agora é que nos perseguem, não precisamos mais ir atrás deles. Agora estão oferecendo dinheiro mais barato, facilitando muito nossa vida, só que agora não precisamos disso e eles é que estão querendo. Para os médicos foi muito bom, porque todos ficaram muito animados com essa nova fase do Hospital e com essa nova expansão. A nossa nova hotelaria será muito boa. Os investidores estão muito alegres, muito satisfeitos porque realmente eles estão recebendo direitinho. A gente paga no dia 20 aproximadamente e é creditado na conta dos investidores no dia 5 de cada mês – creditado pelo Banco Itaú – então, é uma garantia deque eles recebem na data.Estamos vendendo parte do nosso imobilizado e trocando por locação. Isso é uma discussão longa em nosso Conselho Diretor, porque a tendência é não vendê-lo imobilizado. Há quem diga: Mas o imobilizado é a parte importante.

Mas, depois que eu conversei com alguns diretores de banco, inclusive com o vice-presidente do Bradesco, ele me mostrou que até o Bradesco está vendendo os imóveis. Conversei com o diretor da Siemens, que me explicou que a empresa vendeu praticamente todos os imóveis, até lá na sede central: Porque o negócio da gente é o negócio e não o imóvel. O que nos interessa é a nossa empresa, o nosso trabalho, e evitar carregar o peso do imóvel. Isso foi muito discutido e decidimos que era necessário tirar o peso do imóvel e investir realmente no nosso negócio.

Temos de tomar cuidado no momento em que se faz o Fundo Imobiliário. Nosso imóvel está registrado na contabilidade pelo valor histórico. E aí se faz Fundo Imobiliário pelo valor de 60 milhões. Existe aí um imposto de Renda. Ele vai subtrair uma boa parte do capital, se não tiver houver como justificar essa diferença. Em nosso caso, tivemos como justificar e,felizmente, nos livramos desse problema.A avaliação econômica é baseada em metodologia do fluxo de caixa descontado. É necessário ter consciência de que se está fazendo um negócio e de que devemos cumprir a nossa parte. Se vou assumir um aluguel de 1,2 e,depois, se não puder pagar o aluguel, perderei a locação. É preciso muito cuidado para saber se realmente existe a capacidade de pagar o aluguel. Usar o recurso que é necessário para a sua necessidade de caixa, para a sua expansão e não pensar em pegar recurso para outras finalidades, porque daí então vai ter problema para a empresa.

E, por último, o índice: estar sempre alerta. O índice de aluguel é reajustado pelo IGP-M. É preciso estar alerta para saber que não vai haver um custo fixo, mas variado. O IGP-M no último foi pouco, então, não chega a ser problema. Mas, quando fizemos o primeiro Fundo Imobiliário e fizemos o Hospital da Criança, em 1998, tivemos um ano com IGPM de cerca de 20%, ocasionou um problema sério no aluguel, pois o nosso a receber não acompanhou o aluguel. Ainda bem que se pode,eventualmente, usar um recurso legal – que não usamos e nem queremos usar:a lei permite que, a cada três anos, você entre em juízo para rediscutir o aluguel. Mas, isso nós não pretendemos fazer, não é a nossa idéia. Agora,atualmente a inflação está controlada, então a gente pode ficar mais ou menos tranqüilo. Isso eu gostaria de lembrar a todos que, se fizerem, saibam que há possibilidade de reajuste do aluguel, pelo IGP-M.

 

Definição de Fundo imobiliário:

Os Fundos Imobiliários são formados por grupos de investidores, com o objetivo de aplicar recursos,solidariamente, no desenvolvimento de empreendimentos imobiliários ou em imóveis prontos. Do patrimônio de um fundo podem participar um ou mais imóveis, parte de imóveis, direitos a eles relativos, etc.Uma das várias formas de remuneração é através de taxa de locação mensal”.
 

Características do Fundo imobiliário criado pelo Hospital:

a) O Hospital transferiu seu imóvel a um fundo de investimento constituído com a finalidade de aplicar recursos em empreendimentos imobiliários (Fundo de Investimento Imobiliário Nossa Senhora de Lourdes)

b) O fundo coloca as cotas à venda no mercado (Bolsa de Valores) , apósaprovação da CVM e paga o Hospital

c) Uma vez transferido o imóvel é elaborado um contrato de locação entre aempresa (Hospital) e o fundo por um tempo determinado (20 anosrenováveis por mais 20 anos)

d) O valor da locação é estabelecido no ato da constituição do fundo. No caso do Hospital foi estabelecido 1,3% sobre o valor original do fundo (R$ 88 milhões, divididos em 3 tranches sendo duas de R$ 30 milhões e a última de R$ 28 milhões)

e) A 3ª tranche (R$ 28 milhões) será comercializada após a conclusão das obras de ampliação (em andamento)


Justificativas para a criação do fundo:

a) no ambiente externo: juros bancários altos, taxa Selic em queda, falta de linha de financiamentos com baixas taxas e sem burocracia;

b) no ambiente interno: despesas financeiras altas em função do endividamento bancário o que provocava Ebitda alto (15%) e lucro líquido baixo (0,5%), demanda reprimida, necessidade de crescimento de novas tecnologias, necessidade de ampliação do parque tecnológico, necessidade de expansão da área física, necessidade de melhorar a percepção das partes interessadas, colaboradores demandando plano de desenvolvimento, necessidade de atração através de médicos com ampliação de serviços, fortalecimento de parcerias junto a fornecedores, necessidade de assegurar rentabilidade dos acionistas, necessidade de ampliar portfolio de serviços para clientes.

 

Razões para o fundo imobiliário:

a) taxas menores que mercado,

b) nível de exigência menor,

c) captação de recursos mais rápida,

d) captação de recursos sem perda de controle acionário.

 

Perspectiva do investidor de fundo imobiliário:

a) rentabilidade atrativa,

b) sem incidência de ir para pessoa física em função da MP do bem,

c) investimento em manutenção do prédio por conta do locatário,

d) segurança garantida pelo imóvel com locação por 40 anos.

 

Conseqüências do Fundo imobiliário Hospital Nossa Senhora de Lourdes:

a) Eliminação da divida bancária com conseqüente redução das despesas financeiras

c) Custo do fundo = 1,20%, Custo dos Bancos = 2,5%)

d) Economias diretas com projeto fundo =$ 3,9 milhões / ano ou 5% das receitas

e) Injeção de R$ 65 milhões de recursos para eliminação do endividamento bancário e ampliação do Hospital a juros médios de 1,2% mês

f) Aporte de mais R$ 28 milhões (3ª tranche) visando atualização tecnológica e outras ampliações,

g) Ganhos marginais administrativos vinculados a redução de tarefas operacionais da gestão financeira

 

Impacto geral do Fundo imobiliário Hospital NS Lourdes sobre as partes interessadas:

a) Colaboradores: Percepção positiva que o grupo está entrando em nova fase de crescimento, com reais chances de desenvolvimento para todos

b) Fornecedores: Melhora da capacidade de negociação do hospital em função da duplicação de suas instalações e conseqüente aumento de volume

c) Bancos: Maior oferta de produtos e liberação de créditos tendo em vista a nova situação econômica do hospital

d) Médicos: Possibilidade de incremento de novas especializações

e) Investidores: Boa remuneração atrelada a um produto já conhecido no mercado

 

Outros pontos a considerar:

a) Rentabilidade: Vendeu parte do imobilizado e trocou por locação de 40 anos

b) Imposto de renda: A valorização do imóvel implica em ganhos financeiros com incidência de IR.

c) Avaliação econômica: É feita por avaliador independente baseada na metodologia de fluxo de caixa descontado

d) Empreendimento: Assegurar-se da capacidade de pagamento ao longo do tempo

e) Aplicação dos recursos:Compatibilizar os recursos com as necessidades reais de caixa ou de expansão

f) Macro economia:Índice de reajuste atrelado ao IGP-M . Portanto, alterações econômica pode implicar em aumentos substanciais no valor mensal da locação.

 

Perguntas:

a) Qual a importância dos mercados financeiros para a operação do fundo criado pelo hospital?

b) Quais os ganhos associados à criação do fundo para os donos do hospital e do fundo?

c) E quais os outros ganhos para os outros interessados?

d) Quais os riscos envolvidos?

e) O que significa um Ebitda alto e um Lucro baixo?

 

        

Comentário do autor para professores e alunos:

O livro Certificação Profissional Anbid Série 10, CPA-10, discute a importância dos mercados financeiros para diversos agentes. Leia o livro e tente responder às perguntas formuladas.

 

 

Referências:

Informações complementares podem ser vistas nos links:

http://www.ademi.webtexto.com.br/article.php3?id_article=18542

www.hospitalar.com/noticias/not2942.html

http://www.saudebusinessforum.com.br/pdf2007/Fabio%20Sinisgalli_Cen%E1rio%20da%20sa%FAde%20no%20Brasil.pdf

http://www.bovespa.com.br/pdf/cHNSL_200308.pdf